É POSSÍVEL TER RESPOSTAS POR MEIO DOS SONHOS?

INTERPRETAÇÃO DOS SONHOS • CRENÇAS DOS PAIS • DEUS MAIOR

OUÇA O POST EM VERSÃO PODCAST!

Hello Acordada!

Seja muito bem vinda ao PRIMEIRO episódio do Podcast do Bora Acordar e para abrir essa temporada, eu venho aqui hoje com um papo profundo para falar sobre interpretação de sonhos (esses que temos quando dormimos), crenças dos nossos pais que nós tomamos como nossa (profundo ne?) e sobre Deus ser muito mais do que o que nos ensinaram.

Como esse é o primeiro podcast do bora acordar, eu senti que deveria trazer aqui um tema que explicasse também um pouquinho do que está acontecendo com o Bora acordar para aquelas que já me seguem a mais tempo lá no instagram. Daqui pra frente a gente vai começar a trazer temas mais profundos, provocativos e as vezes até meio polêmico, e eu achei muto importante compartilhar com vc que está chegando agora ou que já está a mais tempo comigo, pra saber o que está acontecendo.

O Bora Acordar está mudando, assim como EU. E você?

Desde menina tive nos sonhos uma forma de escutar Deus falar comigo. Meu nome Danyelle, vem de Daniel, seria uma mera coincidência? Pois Daniel bíblia sagrada, foi um homem que tinha o dom de interpretar sonhos (e essa é uma das coisas que eu quero te ensinar aqui no Clube das Acordadas se você tiver interesse em aprender).

Pra te contextualizar do que está acontecendo, preciso explicar que desde que iniciou o ano de 2021 eu venho me sentindo meio inquieta com o Bora Acordar. Com uma sensação de que as coisas não estavam fluindo como deveria ser, sabe? Passei a me recolher mais, meditar mais, falar menos e focar minha energia em descobrir se eu estava no caminho certo, afinal, a inquietação que eu sentia me mostrava o contrário. Eu sentia que algo estava impedindo o fluxo de fluir livremente, mas o que era?

Como eu disse, sonhos sempre foram uma das formas de ouvir o Universo me trazer respostas e assim aconteceu. Só que dessa vez, eu não consegui interpretá-los imediatamente como de costume, pois precisaria viver algumas situações antes de obter a interpretação deles. Vou te explicar…

Semana passada, em uma das diversas reuniões com a agência de publicidade que cuida da conta do Bora (sim, talvez vocês não saibam, mas são horas e horas de reunião, estudo e muita dedicação para trazer os conteúdos aqui para vocês, é muuuito trabalho! Rs. Eu só não desisto porque que é a missão de vida e porque eu amo muito cada uma de vocês, mesmo sem conhecê-las pessoalmente, ACREDITE!). Mas voltando… durante a conversa, o Darwin (que é responsável por toda parte gráfica que vocês veem no Bora) pediu para que eu explicasse sob a visão da Astrologia, a situação que estamos vivendo aqui na Terra e também sobre a Era de Aquário. Não sei se você sabe isso sobre mim, mas uma das minhas formações é em astrologia. Sim, sou astróloga, estudei na GAIA escola de astrologia em SP e lá fiz o curso de Interpretação de Mapa Natal e Previsão Astrológica com o querido professor Robson Papaleo (um super astrólogo, diga-se de passagem!).

Bom, o Darwin ficou tão animado por entender o que está acontecendo que me perguntou POR QUE EU NÃO FALAVA SOBRE ASTROLOGIA NO BORA e eu imediatamente soltei: porque no Bora não falamos sobre esses assuntos. E mais uma vez ele insistiu: e por quê? E eu disse: não sei.

Na mesma hora, anotei em meu caderno a pergunta: por que eu não falo sobre assuntos considerados “místicos” no Bora Acordar? A pergunta havia me incomodado e eu sentia que precisava descobrir a resposta dentro de mim, por isso anotei e iria levar para meditação.

Mas ali, durante a conversa, eu tentava caçar na minha mente alguma resposta para calá-lo, mas ele insistiu e me questionou: “Você se sente desconfortável em falar sobre esses assuntos na frente dos seus pais?” (Ele conhece meu pai e sabe o quanto esses assuntos são um pouco polêmicos para eles).

Eu não conseguia responder. E quando abri a boca…gaguejei.

Eu me conheço, conheço sobre pessoas e sobre o funcionamento das nossas mentes. Isso era um sinal que havia algo impedindo o fluxo de fluir.

Continuamos nossa conversa e eu um dado momento senti vontade de chorar. Pensei: vontade de chorar? Ok, deixa vir, deixa vir, deixa o choro vir. Enquanto eu chorava identificava qual ou quais registros eu havia armazenado que me traziam a vontade de chorar. Praticamente um P.PELS ali, ao vivo… rs. P.PELS é uma ferramenta de limpeza que serve para destravar nossa mente e nossos caminhos (você vai aprender aqui no Bora isso também).

Ao terminar a conversa, fui direto meditar. Senti que precisava “digerir” tudo que havíamos conversado e que havia mexido muito comigo. Me sentei, fechei meus olhos e sem que eu pensasse em absolutamente nada, o sonho de alguns dias atrás começou a passar em minha mente. Fui revivendo cada detalhe e prestando atenção na simbologia de cada coisa.

O sonho foi assim: Eu estava num vazio e à minha frente estava um grande amigo meu Davilson, que é astrólogo e tarólogo. Ele olhava para baixo como quem olhava para as cartas abertas à sua frente e me dizia que eu estava passando por um grande ataque espiritual. Nisso, olhei para o lado direito e havia uma árvore muuuito antiga. Dela saia um galho que vinha até minha garganta e começava a me sufocar. O interessante é que ela apertava apenas o lado direito da minha garganta, mas era o suficiente para me deixar sem ar e não conseguir falar e respirar.

Comecei a clamar o nome de Jesus, pois este foi o ensinamento que meus pais me deram. Eles sempre nos diziam que quando passássemos por alguma experiência espiritual que precisássemos de ajuda, deveríamos falar o nome de Jesus pois este é o nome mais forte que existe, capaz de expulsar qualquer energia ruim.

Eu declarava o nome de Jesus, mas a árvore não me soltava. Me lembro de ter pensado no sonho: se a árvore não está recebendo o comando de me soltar usando o nome de Jesus, eu realmente não sei mais o que fazer, pois o nome mais forte que eu conheço é esse: Jesus. Então, continuei a insistir declarando o nome de Jesus até que ela foi enfraquecendo e me soltou. Percebi que, não era o nome de Jesus que era fraco e sim a árvore que era forte e resistia em me soltar, conforme o aviso do meu amigo através das cartas.

O que acontece é que, ao falar sobre aqueles assuntos em reunião com o Darwin, pude trazer informações que estavam no meu subconsciente para o consciente. Pude enxergar o que estava me travando, portanto, ao me sentar em meditação para refletir sobre a conversa, o sonho foi trazido à minha mente, e agora, eu estava pronta para entendê-lo e interpretá-lo.

Ficou muito claro para mim que se tratava de uma árvore genealógica, a arvore dos meus antepassados. As informações que trago dos meus pais, avós, etc bem aqui, no meu sangue. A árvore do sonho era bem antiga, simbolizava crenças muito antigas de gerações passadas, talvez até por conta da religião que eles tinham, enfim.

A árvore estava do lado direito e o galho que saia dela, me sufocava na garganta apenas do lado direito também. O lado direito é a energia Yin que é a energia feminina. No sonho, poderia ser energia das mulheres da família e/ou da minha mãe, porém, entenda uma coisa importante: não era a minha mãe que estava me impedindo, pois nada acontece sem a nossa permissão e não são as pessoas que fazem algo conosco e sim nós que permitimos. Eu estava permitindo que a energia dos meus pais e antepassados me impedissem de expressar o que eu acreditava e precisava falar no Bora Acordar para acordar as pessoas para uma vida de intimidade com Deus (ou Universo) que foi o que aconteceu comigo ao estudar sobre diversos assuntos que antes eu mesmo tinha preconceito.

Esse sonho, trouxe a libertação dos padrões e crenças familiares que nos impedem de expressar quem nós somos e o que acreditamos.

Provocação:

Depois de ouvir essa história, olhe pra dentro de você também e perceba: quais são as crenças DOS MEUS PAIS que eu estou carregando (ou honrando) que me aprisionam de ser quem eu vim até aqui para ser?

Quais são as crenças que me impedem de ser e viver uma vida com propósito?

Para mim, Dany, ficou muito claro que eu não estava expressando o que eu realmente queria no Bora Acordar pois estava honrando meus pais em não falar sobre assuntos que eles não acreditam concordam ou aceitam. Ou que talvez até aceitem, mas na minha cabeça eu criei esse fantasma do preconceito.

Eu sempre falo nos meus livros que quando descobrimos o que estava nos travando, 50% da força que aquilo tinha sobre nós, se vai! Mas os outros 50% geralmente exigem uma atitude da nossa parte. Então, quer saber o que eu fiz depois de conseguir interpretar o sonho? Liguei para minha mãe, contei sobre o sonho, disse a ela que reconheço a hierarquia que existe e que na posição de filha, estava ali, humildemente pedindo a ela a liberação para falar sobre assuntos que talvez eles não concordem ou que vai de encontro com as crenças deles. Ela disse que sim, que me liberava, que da parte dela não havia qualquer tipo de empecilho.

Veja só, quero fazer, através dessa história, que você ACORDE para entender que precisamos ter respeito e honrar os que vieram antes de nós, mas esse respeito e honra também tem sua polaridade positiva e negativa, compreende?

Quando eu liguei para minha mãe, eu estava honrando positivamente e respeitando a hierarquia espiritual que existe. Porém, deixar de ser eu, deixar de falar e compartilhar o que eu acredito porque eles não acreditam, é honrar negativamente e é muito importante sabermos delimitar quais crenças são dos nossos pais e quais crenças são NOSSAS.

Honre e respeite seus antecessores, mas também aprenda a quebrar padrões que te impedem de viver quem o Universo espera que você seja, alguém livre e cheio de intimidade com Ele.

DANY PEREIRA

Dany Pereira vem desde 2008 em busca de ferramentas para a sua autotransformação que a fizeram passar pelo Coaching, PNL (Programação Neurolinguística), EFT (Emotion Freedom Technic), Astrologia, Alquimia, Meditação e Yoga. Formada em Direito, atua hoje como empresária, sendo sócia proprietária da WRA Mechanic Expert e CEO da Editora Bora Acordar.